O exame de eletroneuromiografia dói e dá choque? Entenda como este tipo de procedimento é realizado

0
0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 LinkedIn 0 0 Flares ×
Paciente sendo atendida por um consultório em uma clínica de exames

A eletroneuromiografia é um exame que pode ser requisitado em diversos casos. Quer ver um exemplo? Quando o especialista tem alguma dúvida sobre a capacidade de resposta nervosa do organismo, esse será o procedimento executado. Com ele, portanto, é possível compreender melhor o funcionamento do corpo.

O fato é que a eletroneuromiografia de membros exige a execução de pequenos choques, os quais são responsáveis por uma etapa importante. Entender o papel desses estímulos, inclusive, ajuda a compreender o exame.

Para não ter mais dúvidas, veja por que são dados choques para a realização da eletroneuromiografia membros inferiores e superiores!

O exame de eletroneuromiografia é doloroso? Por que ocorre a aplicação de choques na eletroneuromiografia de membros?

O principal objetivo desse exame é identificar como ocorre a condução de estímulos elétricos pelos nervos periféricos. Ou seja, a intenção é entender como os nervos se comunicam e se existe algum “bloqueio” no funcionamento das estruturas.

Para criar esses impulsos, é preciso dar pequenos choques nas áreas específicas dos músculos. Eles são de baixa tensão e totalmente suportáveis e sua aplicação se justifica pela necessidade de medição da resposta do corpo.

Trata-se de algo relevante para o exame de eletroneuromiografia porque a aplicação dos choques é conhecida e controlada. Então, é possível medir, com precisão, como esse impulso é transmitido (ou não) a outras áreas.

O que acontece após os choques no exame de eletroneuromiografia?

Como visto, os choques são realizados com o objetivo de entender como o corpo reage diante de um estímulo elétrico. Então, ao mesmo tempo em que ele é realizado, há uma captura e uma análise de dados.

Isso é feito com a ajuda de equipamentos específicos, que medem a capacidade de propagação, a amplitude, o tempo de resposta e outros fatores. Todos esses resultados são interpretados segundo certas condições, de modo que seja viável definir um diagnóstico adequado.

Se a amplitude de resposta for baixa, isso pode estar associado a algum tipo de bloqueio ou degeneração nervosa. Com os diversos níveis de avaliação, pode-se entender qual é a gravidade do caso, se ele é crônico ou agudo e assim por diante.

O que o exame de eletroneuromiografia detecta?

 Graças à execução dos choques realizados durante o procedimento, é possível ter informações valiosas sobre as condições de saúde e diagnosticar diversas doenças. A neuropatia diabética, por exemplo, afeta a sensibilidade dos nervos e a capacidade de transmitir impulsos elétricos. Então, o exame de eletromiografia é útil para fazer essa análise.

Também é uma forma de identificar o progresso quanto à retomada de movimentos de pacientes que sofreram algum trauma ou perda da sensibilidade. No caso de pessoas em coma, os choques da eletroneuromiografia dão uma medida da fraqueza muscular ou perda de movimentos, mesmo com o indivíduo inconsciente.

Há vários outros quadros que podem ser diagnosticados, como doenças crônicas, degenerativas ou condições agudas. O importante é que o exame seja realizado de maneira segura e por especialistas em uma clínica de diagnóstico confiável.

A execução de choques no exame de eletroneuromiografia de membros é essencial para coletar os resultados desejados. A partir da análise das informações de resposta do corpo, os diagnósticos são precisos e ajudam a definir o melhor modo de atuar.

Quer outras dicas que falam de saúde, bem-estar e cuidado? Curta a nossa página no Facebook e nos siga no Twitter!





Comentários no Facebook

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 LinkedIn 0 0 Flares ×